Desde o primeiro encontro era amor

quinta-feira, junho 18, 2015



Nos conhecemos por acaso, mas não desses de filmes de Hollywood. Foi um acaso mais bonito e puro. Eu era muito mais jovem que ele, décadas de distancia entre nós dois, mas isso não impediu que o amor aparecesse. 

Era um dia típico da minha vida, estava a esmo deitada no chão do quarto, olhando para a janela e observando as pequenas partículas de pó refletindo a luz do sol. O silêncio era quase absoluto se não fosse as vozes de outras crianças brincando na vizinhança. Estava imergindo no buraco negro do Tédio (com T bem grande), quando ouvi sua voz gritando e arranhando a garganta, querendo que a galáxia inteira o ouvisse.

Não compreendia as frases ditas, mas de alguma maneira me identificava a ponto de sentir um nó formando na garganta, um choro querendo sair sem minha permissão. Fui procura-lo. Buscar o que conseguisse descobrir sobre quem era e o que fazia.

Seu nome era incomum, estranho eu diria. Mas quem nesse mundo se chamaria Cazuza? Descobri, mais tarde, que seu verdadeiro nome era Agenor. O que não deixou de ser atípico.

Com o passar dos anos, comecei a conversar com suas músicas, era como se estivéssemos frente a frente e ele sabia exatamente o que me dizer, mesmo que fosse um tapa na minha cara mandando eu viver exageradamente, sem medo de ser feliz. Eram horas que passávamos juntos, mas isso não era o suficiente para mim, queria poder vê-lo e perguntar muitos porquês. Mas era muito tarde, aquele que eu considerava meu melhor amigo, para todos os momentos da vida, já não poderia estar presente fisicamente, por mais que eu quisesse e desejasse.

O amor que nasceu naquele quarto, ouvindo-o cantar como a burguesia fedia, cresceu junto comigo. Sempre imaginando diálogos entre nós, noites discutindo sobre a sociedade, cantando e bebendo. A nossa relação continua a mesma, ele sabe o que me dizer quando preciso de um empurrão ou quando me pergunto se sou muito medieval para este mundo, sei que ele se perguntava o mesmo.

Como pode alguém ser tão demente, porra louca, inconsequente e ainda amar?  É Caju, também queria descobrir.

Você também pode gostar de:

0 comentários

Subscribe