Uma amiga

sábado, outubro 04, 2014

Há algum tempo conheci uma pessoa diferente, mas com um encanto único. Seu olhar carregava muita tristeza e melancolia, mas estava sempre com um sorriso no rosto. Nunca falava de seus problemas, deixava-os em casa, não carregava para os lugares onde ia, muito menos despejava nos ombros alheios. Gostava de se distrair em grupos de amigos, conhecendo pessoas novas, assistindo filmes desconhecidos e lendo livros com centenas de páginas. Estava sempre de cabeça erguida, nunca chorava em público, mas se emocionava com as coisas mais banais do dia a dia - como quando viu uma criança brincando com seu avô no meio da praça, ou quando um filhote de cachorro pulava e corria brincando com seu dono.

Por raramente falar de si, quase ninguém a conhecia. Fui uma das poucas (talvez a única) que teve a oportunidade de ouvir sobre seus anseios, angústias e medos, me senti privilegiada por receber esse voto de confiança. Nunca a julguei por nada que me contou, cheguei até a pensar que o peso que era obrigada a carregar era maior do que poderia aguentar, mas ela era muito mais forte do que imaginava ser. Mal sabia que por menos eu já quis pedir demissão da vida.

Nunca soube dar bons conselhos como aqueles livros de autoajuda, mas estava à disposição para um abraço e um olhar amigo. Não hesitava em ir até onde estava quando havia algum problema. Não a deixava cair, pois sabia que a queda seria muito brusca.

Fazia questão de escrever coisas bonitas para distraí-la, inventava histórias onde tudo sempre acabava bem, pra que ela visse que nenhum problema é sem solução, que no fim do livro as coisas se acertam, talvez não como esperamos, talvez não aconteça o que queremos, mas todos os acontecimentos se encaixam de alguma maneira pra nos mostrar que nada do que vivemos é em vão. Ela sempre se via nos textos, no fundo sabia que era baseado em sua vida, mas não me dizia. 

Fazem anos que não a vejo, não sei como está sua vida ou se seus problemas enfim se resolveram. Sei que ela não precisa mais do meu apoio ou da minha presença, caso contrário viria me procurar como sempre fez. Nossa amizade fugia do clichê, era como se uma completasse a vida da outra da sua própria maneira. Mas sei que a vida nos levará para os caminhos certos, mesmo que não nos vejamos mais.

Você também pode gostar de:

1 comentários

  1. Nossa texto triste e ao mesmo tempo emocionante, bom pelo que li ela era muito complexa, e nunca mais a procurou a amiga, enfim resumindo, ela sumiu e a amizade ficou para trás.
    Flor tem post novo, poderia me visitar? claro que sempre que você tiver post novo, me avisa que venho ver.
    E tem SORTEIO de um TABLET e depois vou fazer de uma FILMADORA me visita.
    magrafelizpensa.blogspot.com

    ResponderExcluir

Subscribe