Noite de ontem

segunda-feira, julho 07, 2014

Ontem a noite estava inquieta deitada na cama, pensando demais sem conseguir dormir. Olhei para o relógio diversas vezes e 1 minuto durava 2 horas. Contei quantas vezes seu nome passava pela minha cabeça e quantas vezes você me olhou nos olhos e eu pude ver tão fundo que poderia até dizer que enxerguei sua alma pura e sincera. Me descobri e sentei na beirada da cama, olhando através da janela vi ao longe algumas luzes acessas e instantaneamente imaginei se você também estaria acordado à essa hora da madrugada, quando não se escuta nem o barulho do trânsito na avenida.

Peguei o telefone e ameacei discar seu número, fechava os olhos e projetava sua imagem sentado ao lado do telefone, com um copo de alguma bebida forte e um cigarro quase apagando na outra, esperando um sinal de que as luzes do meu apartamento também estivessem acessas. Mas eu sei que na realidade você está dormindo tranquilo, descansando para o dia de amanhã que começa logo cedo, mais um dia sem me dizer bom dia pela manhã.

Peguei no fundo do guarda-roupa a camisa que você esqueceu aqui em casa  há muito tempo e eu nunca fiz questão de lembra-lo de pegar de volta. Vesti e posso dizer que ainda senti seu cheiro entre o tecido amarrotado. Amo seu perfume até hoje.

Sentei encolhida no sofá e senti, aos poucos, o sol tomar conta dos primeiros centímetros da sala. Escutei o vizinho girar as chaves e caminhar até o elevador e lembrei de quando chegávamos em casa junto com o sol nascendo e nos forçávamos a fazer silêncio para não incomodar ninguém, abafando as risadas e beijos barulhentos.

Acho que já era quase meio dia, meu telefone tocava e eu não mexia um músculo para atendê-lo, eu sabia que era minha mãe querendo saber se eu tinha saído de casa, então preferi deixá-la feliz achando que, finalmente, tinha retomado minha rotina. 
Não queria ter que ver pessoas tão cedo, não queria ter que me socializar e nem sentir os olhares alheios em mim.

Eu não estava pronta pra encarar os olhos do mundo. E não sei quando estarei. 

Você também pode gostar de:

1 comentários

Subscribe