Já é tarde

sábado, junho 07, 2014


Você disse que não precisava mais escrever sobre nós. Que tudo que havia pra ser dito já foi escrito e lido diversas vezes, mas eu vou desobedecer sua ordem e cuspir as palavras que estão entaladas dentro de mim, na minha garganta. Não me importo se você não liga mais pro que eu escrevo, não me importo se você já não presta mais atenção pros sinais que eu te dou todos os dias, se você não ouve mais meus choros à noite. Passei dias me perguntando o que eu havia feito pra isso terminar assim, mas única resposta que encontrei foi que a culpa não estava só sobre meus ombros, que o peso estava dividido igualmente entre nós dois, mesmo você se abstendo da sua parcela.

Quando você saí pela porta da sala todos os dias não olha pra trás, nem pra me olhar de relance e ter certeza de que eu ainda estou ali. Sinto ter que te dizer isso, mas talvez quando você volte amanhã do trabalho não me encontre sentada naquele mesmo sofá velho que sua mãe nos deu por pena. Talvez seja tarde demais pra me ligar e perguntar o que está acontecendo, pra onde eu fui e o que eu penso que estou fazendo a essa hora da noite andando sozinha nesta cidade tão perigosa. Tenho quase certeza que nem meu número você sabe mais, faz tantos meses que você não me liga no meio do expediente só pra ouvir minha voz e perguntar se eu quero comer algo diferente no jantar. 

Não perca seu tempo, continue sentado na frente do computador rodeado de folhas de papel cheias de números incompreensíveis e sua maldita xícara de café frio sobre a mesa. À essa altura pretendo estar bem longe do nosso bairro suburbano cheio de botecos e carros estacionados indecentemente no meio da rua. Talvez já esteja em algum lugar melhor. Ou pior, se é que isso é possível. Ah, levei sua mala emprestada, sei que não vai precisar dela, já que odeia dormir fora de casa por mais de um dia. 
Não me procure, apenas sinta a minha ausência e a culpa sobre seus ombros, assim como eu as senti durante meses sentada no chão da sala de madrugada na esperança que você fosse voltar. 

Você também pode gostar de:

0 comentários

Subscribe